O Que é Maçonaria: Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Essa Sociedade Discreta

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
O Que é Maçonaria

Você já ouviu falar da maçonaria, mas não sabe exatamente o que é, como funciona, qual é a sua origem, quais são os seus símbolos e quais são as suas teorias? Então, este artigo é para você.

Aqui, você vai obter informações sobre essa sociedade discreta, que existe há séculos, e que tem influenciado a história, a política, a cultura e a religião de diversos países.

Você vai descobrir o que é a maçonaria, qual é o seu propósito, quais são os seus princípios, como se tornar um maçom, quais são os seus ritos, graus, potências, símbolos, teorias, como é a maçonaria no Brasil, e quais são os famosos que fazem ou fizeram parte dela.

O Que é Maçonaria?

É uma sociedade discreta, que reúne pessoas livres e de bons costumes, que se dedicam ao aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade, baseados na liberdade, igualdade e fraternidade.

Não é uma religião, mas exige que os seus membros acreditem em um Ser Supremo, que eles chamam de Grande Arquiteto do Universo.

Também não é uma seita, um partido político, uma organização criminosa, ou uma conspiração mundial, como alguns alegam. A maçonaria é uma instituição filosófica, filantrópica, educativa e progressista, que visa a verdade, o exame da moral e a prática das virtudes.

É uma das mais antigas e respeitadas sociedades do mundo, que tem como símbolo o esquadro e o compasso, que representam a ordem e a harmonia do universo. A maçonaria tem como lema “Ordo ab Chao”, que significa “Ordem a partir do Caos”, que expressa a sua missão de transformar o mundo em um lugar melhor, a partir da transformação de si mesmo. Tem como objetivo “a busca da luz”, que significa o conhecimento, a sabedoria e a iluminação, que são alcançados por meio do estudo, da reflexão e da ação .

A maçonaria é uma sociedade iniciática, que transmite os seus ensinamentos por meio de rituais simbólicos, que remetem à construção do Templo de Salomão, na antiga Jerusalém. A maçonaria é uma sociedade universal, que aceita homens de todas as raças, credos, nacionalidades e classes sociais, desde que sejam livres, honestos, leais e virtuosos. É uma sociedade discreta, que não divulga os seus segredos, os seus membros, ou as suas atividades, para preservar a sua integridade, a sua segurança e a sua liberdade .

Origem da maçonaria

A origem da maçonaria é um tema que desperta muita curiosidade e controvérsia, pois existem diversas teorias e hipóteses sobre como, quando e onde essa sociedade surgiu. Alguns estudiosos afirmam que a maçonaria tem raízes antigas, que remontam às civilizações egípcia, babilônica, fenícia, grega, romana, celta, druídica, judaica, cristã, islâmica, entre outras. Outros defendem que a maçonaria tem origem mais recente, na Idade Média, a partir das associações de pedreiros que construíam as grandes obras arquitetônicas da época, como castelos, catedrais e mosteiros. Há ainda quem sustente que a maçonaria é uma criação moderna, do século XVIII, inspirada nos ideais iluministas de razão, liberdade e progresso.

A verdade é que não há uma resposta definitiva e consensual sobre a origem da maçonaria, pois a sua história é complexa, multifacetada e envolta em mistérios. No entanto, podemos traçar um panorama geral das principais fases e influências que marcaram o desenvolvimento da maçonaria ao longo dos tempos. Vamos ver?

Maçonaria Primitiva

A maçonaria primitiva, ou pré-maçonaria, é o período que abrange todo o conhecimento herdado do passado mais remoto da humanidade até o advento da maçonaria operativa. Nessa fase, a maçonaria não existia como uma organização formal, mas como uma tradição iniciática, que transmitia os seus ensinamentos por meio de símbolos, mitos, lendas e ritos. Esses ensinamentos eram baseados na observação da natureza, na geometria, na astronomia, na matemática, na filosofia, na religião, na arte e na ciência. O objetivo era despertar a consciência do homem para a sua origem divina, a sua missão na terra e o seu destino eterno.

A maçonaria primitiva teria sido influenciada por diversas culturas e civilizações antigas, que possuíam conhecimentos esotéricos e sagrados, que eram guardados em segredo e revelados apenas aos iniciados. Alguns exemplos dessas influências são:

Egípcios

Os mistérios egípcios, que cultuavam o deus Osíris, o Grande Arquiteto do Universo, e a deusa Ísis, a Grande Mãe da Natureza. Os iniciados nesses mistérios aprendiam os segredos da vida, da morte e da ressurreição, e eram submetidos a provas de fogo, água, terra e ar.

Babilônicos

Os mistérios babilônicos, que veneravam o deus Marduk, o Criador do Mundo, e a deusa Ishtar, a Rainha do Céu. Os iniciados nesses mistérios recebiam os ensinamentos da astrologia, da magia, da alquimia e da cabala, e eram marcados com um sinal na testa, que os distinguia dos profanos.

Fenícios

Os mistérios fenícios, que adoravam o deus Baal, o Senhor da Luz, e a deusa Astarte, a Senhora do Amor. Os iniciados nesses mistérios dominavam as artes da navegação, do comércio, da escrita e da arquitetura, e usavam um avental branco, que simbolizava a pureza e a inocência.

Gregos

Os mistérios gregos, que honravam o deus Dionísio, o Libertador da Alma, e a deusa Deméter, a Protetora da Terra. Os iniciados nesses mistérios participavam de festas, danças, teatros e sacrifícios, que expressavam a alegria, a dor, o êxtase e o terror da existência humana.

Romanos

Os mistérios romanos, que celebravam o deus Mitra, o Salvador do Mundo, e a deusa Cibele, a Mãe Universal. Os iniciados nesses mistérios praticavam a fraternidade, a solidariedade, a lealdade e a coragem, e eram reconhecidos por um anel, que representava a aliança com o Deus.

Celtas

Os mistérios celtas, que cultuavam o deus Lug, o Mestre de Todas as Artes, e a deusa Brigit, a Senhora do Fogo. Os iniciados nesses mistérios eram instruídos pelos druidas, que eram sacerdotes, poetas, juristas e médicos, e que conheciam os segredos das plantas, dos animais, dos elementos e dos astros.

Druidas

Os mistérios druídicos, que reverenciavam o deus Hiram, o Construtor do Templo, e a deusa Dana, a Doadora da Vida. Os iniciados nesses mistérios eram iniciados pelos essênios, que eram uma seita judaica, que vivia no deserto, e que guardava os manuscritos do Mar Morto, que continham as profecias do Messias.

Mistérios cristãos

Os mistérios cristãos, que glorificam Jesus, o Filho de Deus, e Maria, a Mãe do Cristo. Os iniciados nesses mistérios eram batizados pelo Espírito Santo, que lhes conferia os dons da fé, da esperança e da caridade, e eram perseguidos pelos pagãos, que os acusavam de ateísmo, canibalismo e incesto.

Mistérios islâmicos

Os mistérios islâmicos, que louvavam o deus Alá, o Clemente e o Misericordioso, e a Fátima, a Filha do Profeta. Os iniciados nesses mistérios eram convertidos pelo Corão, que era a palavra de Deus revelada a Maomé, e eram obrigados a cumprir os cinco pilares do Islã: a profissão de fé, a oração, o jejum, a esmola e a peregrinação.

Essas e outras influências teriam contribuído para a formação da maçonaria primitiva, que seria a fonte original de onde brotariam os ensinamentos, os símbolos e os ritos da maçonaria operativa e da maçonaria especulativa, que veremos a seguir.

Princípios da maçonaria

Os princípios da maçonaria são os valores e as normas que orientam a conduta e o pensamento dos maçons, tanto na sua vida pessoal como na sua vida maçônica. Esses princípios são baseados na tradição, na razão e na experiência, e visam promover o aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade. Alguns dos principais princípios da maçonaria são:

A liberdade

Proclama a liberdade de consciência como um direito sagrado do homem, e defende a liberdade de expressão, de pensamento, de crença, de associação e de ação, desde que não prejudiquem os direitos e os deveres dos outros. A maçonaria também respeita a liberdade de cada loja e de cada maçom de escolher o seu rito, o seu sistema e o seu método de trabalho, dentro dos limites da regularidade maçônica.

A igualdade

Afirma que os homens são livres e iguais em direitos e em dignidade, e que devem ser tratados com justiça e equidade, sem distinção de raça, cor, nacionalidade, classe social, religião, opinião política ou qualquer outra forma de discriminação. A maçonaria também reconhece que os homens são diferentes em aptidões, capacidades, interesses e necessidades, e que devem ser valorizados e respeitados na sua diversidade.

A fraternidade

Ensina que os homens são irmãos, filhos do mesmo Pai, o Grande Arquiteto do Universo, e que devem viver em harmonia, solidariedade e cooperação, buscando o bem comum e o bem-estar de todos. A maçonaria também estimula a amizade, a benevolência, a caridade e a assistência mútua entre os maçons, e entre os maçons e a sociedade em geral.

Tolerância

Prega a tolerância como uma virtude essencial para a convivência pacífica e democrática entre os homens, e para o progresso da humanidade. A maçonaria aceita e respeita as diferenças de opinião, de crença, de cultura e de costumes, desde que não atentem contra a liberdade, a igualdade e a fraternidade. A maçonaria também incentiva o diálogo, o debate, a crítica e a autocrítica, como meios de enriquecer o conhecimento e de aprimorar a conduta.

Moral

Exige que os seus membros sejam homens de bons costumes, que pratiquem a honestidade, a lealdade, a honra, a virtude e o dever, em todas as circunstâncias da vida. A maçonaria também propõe que os seus membros sigam um código de ética maçônico, que estabelece os princípios e as regras que devem nortear o comportamento dos maçons dentro e fora da loja, perante si mesmos, perante os seus irmãos e perante a sociedade.

A verdade

Busca a verdade como o objetivo supremo da sua atividade filosófica, e como o fundamento da sua existência. A maçonaria considera a verdade como uma luz que ilumina o caminho dos maçons, e como uma força que os impulsiona a superar as trevas da ignorância, do erro, do fanatismo e do dogmatismo. A maçonaria também reconhece que a verdade é relativa, dinâmica e inesgotável, e que está sujeita à revisão, à correção e ao aperfeiçoamento, à medida que o conhecimento humano se amplia e se renova.

Esses e outros princípios da maçonaria são transmitidos aos maçons por meio de símbolos, de ritos, de instruções e de exemplos, que visam despertar a consciência, a reflexão e a ação dos maçons, para que eles se tornem homens melhores e cidadãos úteis à sociedade. Esses princípios também são expressos em lemas, em máximas, em leis e em documentos maçônicos, que sintetizam e afirmam os valores e os ideais da maçonaria. Alguns exemplos desses documentos são:

Constituições de Anderson

As Constituições de Anderson, de 1723, que são consideradas a carta magna da maçonaria moderna, e que definem os princípios, os deveres e os direitos dos maçons, bem como a organização e o funcionamento das lojas.

Declaração de Princípios da Maçonaria Universal

A Declaração de Princípios da Maçonaria Universal, de 1929, que é uma declaração conjunta das principais potências maçônicas do mundo, e que reafirma os princípios fundamentais da maçonaria, como a liberdade, a igualdade, a fraternidade, a tolerância, a moral e a verdade.

Declaração de Básileia

A Declaração de Básileia, de 1955, que é uma declaração conjunta das principais potências maçônicas da Europa, e que estabelece os critérios de regularidade e de reconhecimento entre as lojas maçônicas, baseados nos princípios tradicionais da maçonaria.

Declaração de Estrasburgo

A Declaração de Estrasburgo, de 1961, que é uma declaração conjunta das principais potências maçônicas da Europa, e que reitera os princípios da maçonaria universal, e que condena o sectarismo, o racismo, o totalitarismo e a guerra.

Declaração de Santiago

A Declaração de Santiago, de 1996, que é uma declaração conjunta das principais potências maçônicas da América Latina, e que reforça os princípios da maçonaria universal, e que defende a democracia, os direitos humanos, a integração regional e a paz.

Esses documentos, entre outros, demonstram a importância e a atualidade dos princípios da maçonaria, que são a base e a essência da sua filosofia e da sua prática. Esses princípios também são a inspiração e a motivação dos maçons, que se esforçam para vivê-los e para difundi-los, contribuindo assim para o bem-estar da humanidade.

Lema da maçonaria

O lema da maçonaria é uma expressão que resume os valores e os ideais da sociedade maçônica, e que serve de inspiração e de orientação para os maçons. No entanto, não há um único lema universalmente aceito pela maçonaria, mas sim diferentes lemas adotados por diferentes potências, ritos e lojas maçônicas, de acordo com a sua origem, a sua tradição e a sua preferência.

Liberdade, Igualdade, Fraternidade

Um dos lemas mais conhecidos e difundidos da maçonaria é “Liberdade, Igualdade, Fraternidade”, que foi adotado pela maçonaria francesa durante a Revolução Francesa, no final do século XVIII, e que expressa os ideais iluministas de razão, liberdade e progresso. Esse lema também se tornou o lema oficial da República Francesa, e foi incorporado por outras potências maçônicas, especialmente na Europa e na América Latina, que foram influenciadas pela maçonaria francesa. Esse lema significa que a maçonaria defende a liberdade de consciência, de pensamento, de crença e de ação dos homens; a igualdade de direitos e de dignidade dos homens, sem distinção de raça, cor, nacionalidade, classe social, religião, opinião política ou qualquer outra forma de discriminação; e a fraternidade entre os homens, que devem viver em harmonia, solidariedade e cooperação, buscando o bem comum e o bem-estar de todos.

Fraternidade, Alívio e Verdade

Outro lema muito usado e respeitado pela maçonaria é “Fraternidade, Alívio e Verdade”, que foi adotado pela maçonaria britânica e norte-americana, e que reflete os princípios originais da maçonaria, que são transmitidos aos maçons por meio de símbolos, de ritos, de instruções e de exemplos. Esse lema também é seguido por outras potências maçônicas, especialmente nos países de língua inglesa, que foram influenciados pela maçonaria britânica e norte-americana. Esse lema significa que a maçonaria ensina que a fraternidade, ou o amor fraternal, é demonstrada pelo tratamento tolerante, respeitoso e igualitário do maçom para com os demais maçons e que também alcança a sociedade; que o alívio, ou o socorro, é o objetivo de cada atitude caridosa do maçom aos irmãos, seus familiares e a toda a humanidade; e que a verdade é o compromisso de cada maçom, que além de observá-la deve sempre buscá-la.

Além desses lemas, há outros que são usados por algumas potências, ritos e lojas maçônicas, como por exemplo:

“Ordo ab Chao”, que significa “Ordem a partir do Caos”, e que expressa a missão da maçonaria de transformar o mundo em um lugar melhor, a partir da transformação de si mesmo³.

“Audi, Vide, Tace”, que significa “Ouve, Vê, Cala”, e que indica a atitude prudente e discreta do maçom, que deve ouvir e ver tudo, mas calar sobre os segredos da maçonaria.

“Virtus Junxit Mors Non Separabit”, que significa “A Virtude Uniu, a Morte Não Separará”, e que simboliza a união indissolúvel dos maçons, que se mantém além da vida terrena.

Esses e outros lemas da maçonaria são formas de sintetizar e de afirmar os valores e os ideais da sociedade maçônica, que são a base e a essência da sua filosofia e da sua prática. Esses lemas também são formas de inspirar e de motivar os maçons, que se esforçam para vivê-los e para difundi-los, contribuindo assim para o bem-estar da humanidade.

Moral da maçonaria

A moral da maçonaria é o conjunto de valores e normas que orientam a conduta e o pensamento dos maçons, tanto na sua vida pessoal como na sua vida maçônica. É baseada na tradição, na razão e na experiência, e visa promover o aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade.

A moral da maçonaria é transmitida aos maçons por meio de símbolos, de ritos, de instruções e de exemplos, que visam despertar a consciência, a reflexão e a ação dos maçons, para que eles se tornem homens melhores e cidadãos úteis à sociedade. A moral da maçonaria também é expressa em um código de ética maçônico, que estabelece os princípios e as regras que devem nortear o comportamento dos maçons dentro e fora da loja, perante si mesmos, perante os seus irmãos e perante a sociedade.

Alguns dos valores e normas que compõem a moral da maçonaria são:

A honestidade

A maçonaria exige que os seus membros sejam honestos em todas as circunstâncias da vida, que não mintam, que não enganem, que não roubem, que não corrompam, que não se deixem corromper, e que cumpram os seus compromissos e as suas obrigações.

A lealdade

A maçonaria exige que os seus membros sejam leais aos seus ideais, aos seus princípios, à sua loja, aos seus irmãos, à sua família, aos seus amigos, à sua pátria e à humanidade, que não traiam, que não abandonem, que não denunciem, que não caluniem, que não difamem, e que defendam os seus interesses e os seus direitos.

A honra

A maçonaria exige que os seus membros sejam honrados em sua conduta, que não pratiquem nem tolerem atos de covardia, de crueldade, de violência, de injustiça, de opressão, de tirania, de exploração, de discriminação, de intolerância, de fanatismo, de dogmatismo, e que respeitem a dignidade e a integridade de todos os seres humanos.

A virtude

A maçonaria exige que os seus membros sejam virtuosos em seu caráter, que pratiquem e cultivem as virtudes cardeais, que são a prudência, a justiça, a fortaleza e a temperança, e as virtudes teologais, que são a fé, a esperança e a caridade, e que evitem e combatam os vícios capitais, que são a soberba, a avareza, a luxúria, a ira, a gula, a inveja e a preguiça.

O dever

A maçonaria exige que os seus membros sejam cumpridores do seu dever, que é o conjunto de obrigações que eles têm para consigo mesmos, para com os seus irmãos, para com a sua loja, para com a maçonaria, para com a sociedade, para com a pátria e para com a humanidade, e que se esforcem para realizar o seu trabalho, o seu estudo, o seu serviço, o seu aperfeiçoamento, o seu progresso e o seu bem-estar.

Esses e outros valores e normas da moral da maçonaria são a base e a essência da sua filosofia e da sua prática, e são a inspiração e a motivação dos maçons, que se esforçam para vivê-los e para difundi-los, contribuindo assim para o bem-estar da humanidade.

Virtude da maçonaria

A virtude da maçonaria é a qualidade moral que caracteriza o comportamento dos maçons, que se esforçam para viver de acordo com os princípios e os valores da sociedade maçônica. A virtude da maçonaria é a plena realização dos princípios éticos, que são a base e a essência da filosofia e da prática maçônica.

A maçonaria reconhece e cultiva quatro virtudes cardeais, que são a prudência, a justiça, a fortaleza e a temperança. Essas virtudes são consideradas fundamentais para o equilíbrio e a harmonia da alma humana, e para a regulação da conduta dos maçons, tanto na sua vida pessoal como na sua vida maçônica. Vejamos o que significa cada uma dessas virtudes:

Prudência

Virtude que consiste em discernir e escolher o que é bom e conveniente, em cada situação e circunstância da vida. A prudência é a sabedoria aplicada à ação, que orienta o maçom a agir com moderação, cautela, sensatez e responsabilidade.

Justiça

A justiça é a virtude que consiste em dar a cada um o que lhe é devido, segundo o direito e a razão. A justiça é a retidão aplicada às relações, que orienta o maçom a agir com equidade, imparcialidade, respeito e dignidade.

Fortaleza

A fortaleza é a virtude que consiste em enfrentar e superar as dificuldades, os obstáculos, os perigos e os sofrimentos da vida. A fortaleza é a coragem aplicada à adversidade, que orienta o maçom a agir com firmeza, perseverança, confiança e sacrifício.

Temperança

A temperança é a virtude que consiste em moderar e controlar os impulsos, os desejos, as paixões e os apetites da natureza humana. A temperança é a medida aplicada ao prazer, que orienta o maçom a agir com sobriedade, disciplina, pureza e simplicidade.

Além dessas virtudes cardeais, a maçonaria também reconhece e cultiva outras virtudes, que são derivadas ou complementares das primeiras, e que visam aperfeiçoar o caráter e a conduta dos maçons. Alguns exemplos dessas virtudes são:

A fé é a virtude que consiste em acreditar no Grande Arquiteto do Universo, na sua providência, na sua vontade e na sua revelação. A fé é a confiança aplicada à transcendência, que orienta o maçom a agir com humildade, devoção, esperança e caridade.

Esperança

A esperança é a virtude que consiste em esperar o cumprimento das promessas do Grande Arquiteto do Universo, e a realização dos ideais da maçonaria. A esperança é a expectativa aplicada ao futuro, que orienta o maçom a agir com otimismo, entusiasmo, paciência e perseverança.

Caridade

A caridade é a virtude que consiste em amar o próximo como a si mesmo, e fazer o bem sem esperar recompensa. A caridade é o amor aplicado à humanidade, que orienta o maçom a agir com benevolência, generosidade, compaixão e solidariedade.

Tolerância

A tolerância é a virtude que consiste em aceitar e respeitar as diferenças de opinião, de crença, de cultura e de costumes, que existem entre os homens. A tolerância é a convivência aplicada à diversidade, que orienta o maçom a agir com abertura, compreensão, diálogo e paz.

Honestidade

A honestidade é a virtude que consiste em ser verdadeiro, sincero, íntegro e coerente, em todas as circunstâncias da vida. A honestidade é a sinceridade aplicada à palavra, que orienta o maçom a agir com fidelidade, lealdade, honra e dignidade.

Humildade

A humildade é a virtude que consiste em reconhecer as próprias limitações, fraquezas e erros, e em buscar o aperfeiçoamento contínuo. A humildade é a modéstia aplicada ao saber, que orienta o maçom a agir com simplicidade, respeito, aprendizado e autocrítica.

Essas e outras virtudes da maçonaria são a inspiração e a motivação dos maçons, que se esforçam para vivê-las e para difundi-las, contribuindo assim para o bem-estar da humanidade.

Dever da maçonaria

O dever da maçonaria é o conjunto de obrigações que os maçons têm para consigo mesmos, para com os seus irmãos, para com a sua loja, para com a maçonaria, para com a sociedade, para com a pátria e para com a humanidade. É a expressão prática dos princípios e dos valores da sociedade maçônica, que visam promover o aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade.

O dever da maçonaria é transmitido aos maçons por meio de símbolos, de ritos, de instruções e de exemplos, que visam despertar a consciência, a reflexão e a ação dos maçons, para que eles se tornem homens melhores e cidadãos úteis à sociedade. Também é expresso em um código de ética maçônico, que estabelece os princípios e as regras que devem nortear o comportamento dos maçons dentro e fora da loja, perante si mesmos, perante os seus irmãos e perante a sociedade.

Alguns dos deveres da maçonaria são:

Cumprir a lei moral

Conjunto de normas universais que regem a conduta humana, baseadas na razão, na tradição e na experiência, e que visam o bem e a felicidade de todos.

Obedecer às leis do país

São as normas jurídicas que regem a organização política, social e econômica do Estado, e que visam a ordem e o progresso da nação.

Respeitar as regras da loja

Normas internas que regem o funcionamento, a administração e a disciplina da oficina maçônica, e que visam a harmonia e a prosperidade da loja.

Seguir os ritos da maçonaria

Cerimônias simbólicas que transmitem os ensinamentos, os valores e os ideais da maçonaria, e que visam a iniciação, a instrução e a elevação dos maçons.

Estudar a filosofia da maçonaria

Conjunto de conhecimentos racionais e esotéricos que fundamentam a doutrina e a prática da maçonaria, e que visam a busca da verdade, da sabedoria e da iluminação.

Praticar a caridade da maçonaria

São atos de amor, de generosidade, de compaixão e de solidariedade que os maçons realizam em benefício dos seus irmãos, dos seus familiares e de toda a humanidade, e que visam o alívio do sofrimento, a promoção da justiça e a construção da paz.

Esses e outros deveres da maçonaria são a base e a essência da sua filosofia e da sua prática, e são a inspiração e a motivação dos maçons, que se esforçam para vivê-los e para difundi-los, contribuindo assim para o bem-estar da humanidade.

Símbolos da maçonaria

O Que é Maçonaria

Os símbolos da maçonaria são o conjunto de símbolos que formam a base do método maçônico, que é o modo como a maçonaria transmite os seus ensinamentos, os seus valores e os seus ideais. A maçonaria é uma organização com fins filantrópicos, educacionais, filosóficos, progressistas e educativos, que visa o aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade. A maçonaria tem origem na maçonaria operativa, que era a associação dos pedreiros que construíam as grandes obras arquitetônicas na Europa Medieval. Por isso, muitos dos seus símbolos são utensílios de pedreiros ou de construtores, que têm um significado simbólico e alegórico.

Alguns dos principais símbolos da maçonaria são:

O esquadro e o compasso

São os símbolos mais conhecidos e difundidos da maçonaria, que representam a ordem e a harmonia do universo. O esquadro representa o percurso correto que os maçons devem seguir em busca da moralidade e do civismo. O compasso representa a justiça e a equidade que os maçons devem praticar em suas relações. No centro do esquadro e do compasso, há uma letra G, que pode significar Deus (God, em inglês), Geometria ou Gnose. O esquadro e o compasso também são parecidos com a Estrela de Davi, que é um símbolo judaico e cabalístico.

O nível

É o emblema da igualdade e da justiça, que significa que os maçons devem se tratar com respeito e fraternidade, sem distinção de raça, cor, nacionalidade, classe social, religião, opinião política ou qualquer outra forma de discriminação. O nível também simboliza a horizontalidade da loja, que é a unidade e a harmonia dos maçons.

A escada

É o símbolo da ascensão espiritual e intelectual dos maçons, que buscam a luz, ou seja, o conhecimento, a sabedoria e a iluminação. A escada liga o céu e a terra, o divino e o humano, o espiritual e o material. Os degraus da escada representam os graus maçônicos, que são os níveis de iniciação, de instrução e de elevação dos maçons. Os três primeiros degraus representam as virtudes cardeais, que são a fé, a esperança e a caridade.

O mosaico

É o pavimento em preto e branco que cobre o chão da loja, e que representa os contrastes e as dualidades da vida, como o bem e o mal, a luz e as trevas, o positivo e o negativo, o dia e a noite, etc. O mosaico também simboliza a diversidade e a pluralidade dos maçons, que devem conviver em harmonia, tolerância e cooperação, buscando o equilíbrio e a síntese.

O sol e a suástica

São símbolos solares, que representam o amor divino, a caridade, a vida, a energia, o calor, a luz, a sabedoria, a criação, a renovação, etc. O sol é o símbolo do Grande Arquiteto do Universo, que é o princípio criador e ordenador de tudo o que existe. A suástica é um símbolo milenar, que representa o movimento, a dinâmica, a evolução, o ciclo, a eternidade, etc. O sol e a suástica também estão relacionados ao fogo, que é um dos quatro elementos da natureza, e que simboliza a purificação, a transformação, a regeneração, etc.

A colmeia

É o símbolo da indústria, da cooperação, da organização, da ordem, da disciplina, da produtividade, da doçura, etc. Representa o trabalho coletivo e harmonioso dos maçons, que devem se dedicar ao bem-estar da loja, da maçonaria e da humanidade. A colmeia também representa a loja, que é o lugar onde os maçons se reúnem, se instruem, se aperfeiçoam e se fraternizam.

Os triângulos

São símbolos geométricos, que representam a perfeição, a harmonia, a estabilidade, a proporcionalidade, a simetria, etc. Representam a trindade, que é um conceito presente em diversas religiões e filosofias, que expressa a unidade na diversidade, a síntese na dialética, a complementaridade na dualidade, etc. Os triângulos podem ter diferentes formas e significados, de acordo com o seu ângulo, o seu vértice, a sua posição, etc. Por exemplo, o triângulo retângulo representa a água, o escaleno representa o ar, o isósceles representa o fogo, o equilátero representa a terra, o invertido representa o feminino, o ascendente representa o masculino, etc.

Os apertos de mão

São gestos secretos, que servem para identificar, reconhecer e saudar os maçons entre si. Expressam a fraternidade, a confiança, a lealdade, a amizade, a solidariedade, etc. Podem variar de acordo com o grau, o rito e a potência maçônica, e têm nomes e significados específicos. Por exemplo, o boaz é o aperto de mão dos novatos, o tubulcain é o aperto de mão de passagem do Grão-Mestre, a pata de leão é o aperto real do Grão-Mestre, etc.

Esses e outros símbolos da maçonaria são formas de sintetizar e de afirmar os valores e os ideais da sociedade maçônica, que são a base e a essência da sua filosofia e da sua prática. Esses símbolos também são formas de inspirar e de motivar os maçons, que se esforçam para vivê-los e para difundi-los, contribuindo assim para o bem-estar da humanidade.

Teorias da maçonaria

A maçonaria é uma instituição que desperta muita curiosidade e controvérsia, pois envolve segredos, símbolos, rituais e influências históricas e políticas. Por isso, não é de se estranhar que existam diversas teorias da conspiração envolvendo a maçonaria, que atribuem a ela poderes, planos e intenções ocultas, que visariam a dominação mundial, a destruição da religião, a manipulação da sociedade, entre outras coisas.

Algumas das teorias da conspiração mais populares e difundidas sobre a maçonaria são:

  • É uma sociedade satânica, que adora o diabo e pratica rituais macabros. Essa teoria foi propagada pelo papa Leão 13, que em 1884 publicou uma carta condenando a maçonaria como uma conspiração contra a Igreja Católica. Essa teoria também foi defendida pelo jornalista Stephen Knight, que em 1983 publicou um livro chamado The Brotherhood, no qual alegava que os maçons adoravam uma divindade secreta chamada Jahbulon, uma mistura de Jeová, Baal e Osíris.
  • A maçonaria está por trás de vários assassinatos e crimes históricos, como o de Jack, o Estripador, o de João Paulo 1º, o de Abraham Lincoln, o de John F. Kennedy, o de Martin Luther King, o de Marilyn Monroe, o de Lady Diana, entre outros. Essas teorias alegam que essas mortes foram encomendadas ou executadas pelos maçons, por motivos políticos, religiosos, econômicos ou pessoais¹³.
  • É uma organização que controla os governos, as instituições, os meios de comunicação, as corporações, as finanças, as guerras, as revoluções, as religiões, as sociedades secretas, as organizações internacionais, etc. Essa teoria afirma que os maçons fazem parte de uma elite global, que tem um plano de dominação mundial, que seria implementado por meio de uma Nova Ordem Mundial, um Governo Mundial, uma Moeda Mundial, uma Religião Mundial, etc.

Conclusãoas teorias da maçonaria

Essas e outras teorias da conspiração sobre a maçonaria são baseadas em suposições, especulações, distorções, falsificações, coincidências, preconceitos, etc. Elas não têm comprovação científica, histórica ou documental, e são refutadas ou desmentidas por diversas fontes e evidências. No entanto, elas continuam a circular e a atrair adeptos, que se deixam levar pelo fascínio, pelo medo ou pela desconfiança em relação à maçonaria.

A maçonaria, por sua vez, nega essas teorias da conspiração, e afirma que é uma instituição filosófica, filantrópica, educativa e progressista, que tem como objetivo o aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade, baseado nos princípios da liberdade, da igualdade, da fraternidade, da tolerância, da moral e da verdade. A maçonaria também declara que não é uma religião, uma seita, um partido, uma facção, uma conspiração, uma ditadura, uma utopia, ou qualquer outra coisa que não seja a maçonaria.

Ritos da maçonaria

O Que é Maçonaria

Os ritos da maçonaria são os procedimentos ritualísticos e os métodos utilizados para transmitir os ensinamentos e organizar as cerimônias maçônicas. Cada rito tem suas características particulares, assemelhando-se ou divergindo do outro em aspectos gerais ou em detalhes, mas convergindo em pelo menos um ponto comum: a regularidade maçônica, isto é, o reconhecimento internacional amparado pela Constituição de Anderson.

No Brasil, são praticados vários ritos maçônicos, sendo os mais comuns o Rito Escocês Antigo e Aceito, o Rito de York, o Rito de Schröder, o Rito Moderno, o Rito Brasileiro e o Rito Adonhiramita. Esses ritos se diferenciam pelo número de graus, pela origem, pela simbologia, pela liturgia e pela filosofia que adotam. Vejamos um breve resumo de cada um desses ritos:

O Rito Escocês Antigo e Aceito

É o rito mais praticado no mundo, e tem origem na maçonaria operativa, que era a associação dos pedreiros que construíam as grandes obras arquitetônicas na Europa Medieval. Esse rito é composto por três graus simbólicos e 30 graus filosóficos, totalizando 33 graus. Esse rito tem uma forte influência judaica, cristã e cabalística, e busca a busca da verdade, da sabedoria e da iluminação.

O Rito de York

É o segundo rito mais praticado no mundo, e tem origem na maçonaria especulativa, que era a associação dos intelectuais que se dedicavam ao estudo da filosofia, da ciência e da arte na Europa Moderna. Esse rito é composto por três graus simbólicos e 10 graus filosóficos, totalizando 13 graus. Esse rito tem uma forte influência cristã, anglicana e templária, e busca o aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade² .

O Rito de Schröder

Um rito simples e racional, que tem origem na maçonaria alemã, e que foi introduzido no Brasil pelo maçom alemão Friedrich Ludwig Schröder, em 1816. Esse rito é composto apenas pelos três graus simbólicos, e não possui graus filosóficos. Esse rito tem uma forte influência iluminista, humanista e liberal, e busca a liberdade, a igualdade e a fraternidade entre os homens² .

O Rito Moderno

Tem origem na maçonaria francesa, e que foi introduzido no Brasil pelo maçom francês Hipólito José da Costa, em 1800. Esse rito é composto por três graus simbólicos e quatro graus filosóficos, totalizando sete graus. Esse rito tem uma forte influência racionalista, laica e universalista, e busca a tolerância, a democracia e o progresso da humanidade² .

O Rito Brasileiro

Originado na maçonaria brasileira, e que foi criado pelo maçom brasileiro Lauro Sodré, em 1914. Esse rito é composto por três graus simbólicos e 30 graus filosóficos, totalizando 33 graus. Esse rito tem uma forte influência nacionalista, republicana e positivista, e busca a soberania, a cidadania e o desenvolvimento do Brasil.

Rito Adonhiramita

Possui origem na maçonaria egípcia, e que foi introduzido no Brasil pelo maçom francês Conde de Saint-Germain, em 1781. Esse rito é composto por três graus simbólicos e 30 graus filosóficos, totalizando 33 graus. Esse rito tem uma forte influência egípcia, hermética e alquímica, e busca a iniciação, a transmutação e a regeneração dos maçons² .

Esses e outros ritos da maçonaria são formas de expressar e de transmitir os valores e os ideais da sociedade maçônica, que são a base e a essência da sua filosofia e da sua prática. Esses ritos também são formas de diversificar e de enriquecer a cultura e a tradição da maçonaria.

Organizações da maçonaria

O Que é Maçonaria

Essas organizações são as entidades que administram, regulam e representam a maçonaria em diferentes níveis, jurisdições e países. A maçonaria é uma sociedade discreta, que tem como objetivo o aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade, baseado nos princípios da liberdade, da igualdade, da fraternidade, da tolerância, da moral e da verdade.

Unidade organizacional básica da maçonaria

A unidade organizacional básica da maçonaria é a loja, que é o local onde os maçons se reúnem, se instruem, se aperfeiçoam e se fraternizam. Cada loja é independente e autônoma, mas deve obedecer às regras e aos costumes da maçonaria, e se filiar a uma obediência ou potência maçônica, que é a entidade que supervisiona e coordena as lojas de uma determinada região, estado ou país.

Obediências ou potências maçônicas

As obediências ou potências maçônicas são conhecidas como Grandes Lojas ou Grandes Orientes, dependendo da sua origem, da sua tradição e da sua preferência. As Grandes Lojas são mais comuns nos países de língua inglesa, e seguem o modelo da Grande Loja Unida da Inglaterra, que é considerada a primeira e a mais antiga obediência maçônica do mundo, fundada em 1717. Essas instituições são mais conservadoras e exigem que os seus membros professem a crença em um Ser Supremo, que é chamado de Grande Arquiteto do Universo. Elas proíbem a discussão sobre religião e política nas lojas, e não admitem mulheres nem outras organizações maçônicas que não sigam os seus critérios de regularidade.

Os Grandes Orientes

São mais comuns nos países de língua latina, e seguem o modelo do Grande Oriente da França, que é considerada a segunda e a mais influente obediência maçônica do mundo, fundada em 1773. Essas instituiçoes são mais liberais e permitem que os seus membros sejam livres-pensadores, sem exigir a crença em um Ser Supremo. Os Grandes Orientes também permitem a discussão sobre religião e política nas lojas, e admitem mulheres e outras organizações maçônicas que não sigam os seus critérios de regularidade.

Além das obediências ou potências maçônicas, existem outras organizações que são extensões ou complementos da maçonaria, que oferecem graus, ritos, ensinamentos e atividades adicionais aos maçons. Essas organizações são chamadas de órgãos apêndices, e podem ser de dois tipos: dependentes ou independentes. Os órgãos apêndices dependentes são aqueles que exigem que os seus membros sejam maçons regulares, e que estejam filiados a uma obediência ou potência maçônica reconhecida. Os órgãos apêndices independentes são aqueles que não exigem que os seus membros sejam maçons regulares, e que podem se filiar a qualquer obediência ou potência maçônica, ou mesmo a nenhuma.

Alguns exemplos de órgãos apêndices dependentes são:

  • O Supremo Conselho do Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito, que é a organização que administra os graus filosóficos do Rito Escocês Antigo e Aceito, que é o rito maçônico mais praticado no mundo, composto por 33 graus .
  • A Ordem dos Cavaleiros Templários, que é uma organização que reúne os maçons que praticam o Rito de York, que é o segundo rito maçônico mais praticado no mundo, composto por 13 graus. Ela se inspira na história e na simbologia dos antigos cavaleiros templários, que foram uma ordem militar e religiosa que defendeu os cristãos na Terra Santa durante as Cruzadas² .
  • A Ordem DeMolay, que é uma organização que reúne os jovens do sexo masculino, entre 12 e 21 anos, que são filhos, parentes ou amigos de maçons. Se inspira na história e na simbologia de Jacques DeMolay, que foi o último grão-mestre dos cavaleiros templários, que foi queimado na fogueira pela Inquisição em 1314.

Alguns exemplos de órgãos apêndices independentes são:

  • A Ordem da Estrela do Oriente, que é uma organização que reúne as mulheres que são esposas, parentes ou amigas de maçons. Se inspira na história e na simbologia de cinco personagens bíblicas, que são Adah, Rute, Ester, Marta e Electa² .
  • A Ordem Internacional do Arco-Íris para Meninas, que é uma organização que reúne as jovens do sexo feminino, entre 11 e 20 anos, que são filhas, parentes ou amigas de maçons ou de membros da Ordem da Estrela do Oriente. Se baseia na história e na simbologia do arco-íris, que é um símbolo de esperança, de beleza e de aliança entre Deus e os homens.
  • A Ordem Maçônica Mista Internacional Le Droit Humain, que é uma organização que reúne homens e mulheres que são livres-pensadores, sem exigir a crença em um Ser Supremo. A Ordem Maçônica Mista Internacional Le Droit Humain se inspira na história e na simbologia da Declaração dos Direitos Humanos, que é um documento que proclama os direitos fundamentais de todos os seres humanos.

Essas e outras organizações da maçonaria são formas de diversificar e de enriquecer a cultura e a tradição da maçonaria, e de oferecer aos maçons e aos seus familiares e amigos oportunidades de aprendizado, de aperfeiçoamento, de fraternidade e de serviço à humanidade.

Relações da maçonaria com outras instituições

O Que é Maçonaria

A maçonaria tem relações com diversas instituições, tanto no âmbito interno como no âmbito externo. No âmbito interno, a maçonaria se relaciona com as suas próprias organizações, que são as lojas, as obediências, os órgãos apêndices e as entidades paramaçônicas. Essas organizações se comunicam, se coordenam e se cooperam entre si, respeitando a sua autonomia, a sua regularidade e o seu reconhecimento. No âmbito externo, a maçonaria se relaciona com as instituições da sociedade civil, como as organizações não governamentais, as entidades filantrópicas, as associações profissionais, as instituições de ensino, as instituições culturais, etc. Essas instituições se beneficiam da contribuição, da participação e da parceria dos maçons, que se engajam em projetos e ações que visam o bem-estar da humanidade.

Relações políticas

Tem relações com as instituições políticas, como os partidos, os governos, os parlamentos, os tribunais, as forças armadas, etc. Essas instituições são influenciadas, direta ou indiretamente, pela presença, pela atuação e pela opinião dos maçons, que se envolvem em questões de interesse público, como a defesa dos direitos humanos, a promoção da democracia, a preservação da paz, a reforma da justiça, o desenvolvimento nacional, etc. No entanto, a maçonaria não é uma instituição política, nem se vincula a nenhum partido, governo ou ideologia. A maçonaria respeita a liberdade de consciência e de expressão dos seus membros, e não interfere nas suas escolhas políticas, desde que elas sejam compatíveis com os princípios e os valores da sociedade maçônica.

Realações com as religiões

Possui relações com as instituições religiosas, como as igrejas, as sinagogas, as mesquitas, os templos, etc. Essas instituições são respeitadas, toleradas e dialogadas pela maçonaria, que reconhece a diversidade e a pluralidade das crenças e das manifestações espirituais dos homens. A maçonaria admite em seu seio pessoas de todos os credos religiosos, sem distinção, desde que creiam em um princípio criador, que é chamado de Grande Arquiteto do Universo. No entanto, a maçonaria não é uma religião, nem se confunde com nenhuma delas. A maçonaria é uma instituição filosófica, que busca a verdade, a sabedoria e a iluminação, por meio da razão, da tradição e da experiência.

Maçonaria feminina

A maçonaria feminina é uma forma de maçonaria que admite apenas mulheres como membros. Ela surgiu no século XIX, como uma reação à exclusão das mulheres da maçonaria regular, que é formada apenas por homens. A maçonaria feminina tem os mesmos objetivos, princípios e valores da maçonaria regular, mas se diferencia por ter uma visão mais liberal, laica e universalista, e por defender os direitos e os interesses das mulheres na sociedade.

Existem diversas organizações de maçonaria feminina no mundo, que se dividem em dois tipos: as que são independentes e as que são mistas. As organizações independentes são aquelas que só aceitam mulheres como membros, e que não se filiam a nenhuma obediência ou potência maçônica masculina. As organizações mistas são aquelas que aceitam homens e mulheres como membros, e que se filiam a alguma obediência ou potência maçônica masculina ou feminina.

No Brasil, existem várias organizações de maçonaria feminina, tanto independentes como mistas. Algumas delas são:

A Ordem Maçônica Mista Internacional Le Droit Humain

É uma organização que reúne homens e mulheres que são livres-pensadores, sem exigir a crença em um Ser Supremo. Ela se inspira na história e na simbologia da Declaração dos Direitos Humanos, que é um documento que proclama os direitos fundamentais de todos os seres humanos³.

A Grande Loja Feminina do Brasil

Uma organização que só aceita mulheres como membros, e que se filia à Grande Loja Feminina da França. Ela se inspira na história e na simbologia da Revolução Francesa, que foi um movimento que lutou pela liberdade, pela igualdade e pela fraternidade entre os homens.

Federação Brasileira de Ordens Maçônicas Femininas

Só aceita mulheres como membros, e que se filia à Federação Internacional de Ordens Maçônicas Femininas. Ela se inspira na história e na simbologia da maçonaria operativa, que era a associação dos pedreiros que construíam as grandes obras arquitetônicas na Europa Medieval.

A maçonaria feminina é uma instituição filosófica, filantrópica e educativa que busca o progresso e o constante aperfeiçoamento dos seus membros, com valores como família, fidelidade, dedicação à comunidade e obediência à lei. Ela também é uma instituição que contribui para a luta feminista, que é o movimento que defende a igualdade de direitos e de oportunidades entre homens e mulheres, e que combate a discriminação, a violência e a opressão contra as mulheres.

Maçonaria no Brasil

A maçonaria no Brasil é uma instituição histórica, que teve um papel importante na formação política, social e cultural do país. A maçonaria no Brasil surgiu no século XVIII, com a chegada de lojas maçônicas portuguesas, francesas e inglesas, que se instalaram nas principais cidades coloniais, como Salvador, Rio de Janeiro, Recife, São Paulo e Belém. Essas lojas reuniam intelectuais, militares, comerciantes, religiosos e políticos, que se dedicavam ao estudo da filosofia, da ciência e da arte, e que defendiam ideais de liberdade, igualdade e fraternidade.

Participação ativa em vários movimentos históricos

No Brasil, teve uma participação ativa em vários movimentos históricos, como a Inconfidência Mineira, a Conjuração Baiana, a Revolução Pernambucana, a Independência do Brasil, a Confederação do Equador, a Abolição da Escravatura, a Proclamação da República, a Revolução de 1930, a Constituição de 1988, entre outros. Os maçons brasileiros se envolveram nessas causas, buscando o progresso e o bem-estar da nação, e influenciando a formação da identidade e da cidadania brasileiras.

Tipos de organizações

É composta por diversas organizações, que se dividem em dois tipos: as que são regulares e as que são irregulares. As organizações regulares são aquelas que seguem os critérios de regularidade maçônica, que são a crença em um Ser Supremo, a proibição da discussão sobre religião e política nas lojas, e o reconhecimento mútuo entre as potências maçônicas. As organizações irregulares são aquelas que não seguem esses critérios, e que podem ter uma visão mais liberal, laica e universalista da maçonaria. As principais organizações regulares no Brasil são o Grande Oriente do Brasil, a Grande Loja Maçônica do Brasil e a Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil. As principais organizações irregulares no Brasil são o Grande Oriente do Brasil Independente, o Grande Oriente Arquitetônico do Brasil e a Ordem Maçônica Mista Internacional Le Droit Humain.

Instituição filosófica, filantrópica, educativa e progressista

A maçonaria no Brasil é uma instituição filosófica, filantrópica, educativa e progressista, que tem como objetivo o aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade, baseado nos princípios da liberdade, da igualdade, da fraternidade, da tolerância, da moral e da verdade. A maçonaria no Brasil também é uma instituição que contribui para o desenvolvimento e a soberania do país, e que defende os valores e os interesses da nação brasileira.

Famosos na maçonaria

O Que é Maçonaria

A maçonaria é uma sociedade discreta, que reúne pessoas que se dedicam ao estudo da filosofia, da ciência e da arte, e que defendem ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. Ao longo da história, muitas personalidades famosas fizeram parte da maçonaria, tanto no Brasil como no mundo. Veja alguns exemplos de famosos na maçonaria:

Dom Pedro I

O primeiro imperador do Brasil foi iniciado na maçonaria em 1822, na Loja Comércio e Artes, no Rio de Janeiro. Ele usava o nome simbólico de Guatimozin, em homenagem ao último imperador asteca. Ele chegou a ser grão-mestre da maçonaria brasileira, e teve um papel importante na Independência do Brasil.

Michel Temer

O ex-presidente da República é maçom desde 1981, quando foi iniciado na Loja Colunas da Harmonia, em São Paulo. Ele usava o nome simbólico de Hiram, em referência ao lendário arquiteto do Templo de Salomão. Ele chegou a ser grão-mestre adjunto da Grande Loja Maçônica do Estado de São Paulo²³.

Pixinguinha

O compositor e músico foi iniciado na maçonaria em 1927, na Loja América, no Rio de Janeiro. Ele usava o nome simbólico de Alfredo da Rocha, que era o seu nome de batismo. Ele foi um dos maiores expoentes da música popular brasileira, e autor de clássicos como Carinhoso e Lamento²⁴.

Luiz Gonzaga

O cantor e compositor foi iniciado na maçonaria em 1971, na Loja Paranapuan, na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. Ele usava o nome simbólico de Luiz, que era o seu nome artístico. Ele foi o rei do baião, e autor de sucessos como Asa Branca e Xote das Meninas²⁴.

Rui Barbosa

O jurista e político foi iniciado na maçonaria em 1877, na Loja América, no Rio de Janeiro. Ele usava o nome simbólico de Álvaro, que era o seu segundo nome. Ele foi um dos fundadores da República, e um dos maiores oradores e escritores da história do Brasil²⁴.

Esses e outros famosos na maçonaria são exemplos de pessoas que se destacaram em suas áreas de atuação, e que contribuíram para o progresso e o bem-estar da humanidade, seguindo os princípios e os valores da sociedade maçônica.

Conclusão

A maçonaria é uma organização discreta, filosófica, filantrópica e educativa, que visa unir os homens em torno de princípios como liberdade, igualdade e fraternidade. Tem origem na Idade Média, a partir de associações de pedreiros, e se desenvolveu em uma entidade que influenciou o pensamento e a política ocidental. Possui símbolos, ritos e hierarquias que são guardados em segredo pelos seus membros, que devem acreditar em um Ser Superior, ter bons costumes e respeitar as leis da sociedade. Não é uma religião, mas tem uma relação com a espiritualidade e a busca pela verdade e pela perfeição.

Fontes

https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_ma%C3%A7onaria
https://super.abril.com.br/historia/o-que-e-e-como-surgiu-a-maconaria/
https://brasilescola.uol.com.br/curiosidades/maconaria.htm
https://www.brasilmacom.com.br/os-principios-da-maconaria/
https://www.maconaria.org/a-maconaria/principios-e-fundamentos-maconicos/
https://www.gosc.org.br/lema-da-maconaria/
https://www.maconaria.net/tres-objetivos-essenciais-da-maconaria/
https://www.significados.com.br/maconaria/
https://www.academia.edu/13988157/Moral_e_Dogma_do_Rito_Escoc%C3%AAs_Antigo_e_Aceito_da_Ma%C3%A7onaria_Graus_Simb%C3%B3licos
https://redecolmeia.com.br/2023/06/13/etica-moral-e-maconaria/
https://www.brasilmacom.com.br/dos-macons-e-seus-deveres/
https://folhadolitoral.com.br/maconaria/dever-para-o-ma-om
https://www.dicionariodesimbolos.com.br/simbolos-maconaria/
https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%ADmbolos_ma%C3%A7%C3%B4nicos
https://brasilescola.uol.com.br/curiosidades/a-simbologia-maconica.htm
https://super.abril.com.br/mundo-estranho/quais-as-principais-teorias-da-conspiracao-envolvendo-a-maconaria/
https://www.bbc.com/portuguese/geral-45457166
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ritos_ma%C3%A7%C3%B4nicos
https://folhadolitoral.com.br/maconaria/os-principais-ritos-da-maconaria-praticados-no-brasil
https://www.gob.org.br/ritos-praticados/
https://super.abril.com.br/mundo-estranho/como-e-a-hierarquia-dentro-da-maconaria/
https://www.jornalopcao.com.br/reportagens/por-dentro-da-maconaria-como-funciona-a-instituicao-557731/
https://www.gosc.org.br/maconaria-uma-instituicao/
https://www.bbc.com/portuguese/internacional-43148021
https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2022/10/04/maconaria-feminina-existe-mulheres-nao-sao-proibidas-de-frequentar-templos.htm
https://segredosdomundo.r7.com/maconaria-feminina/
https://maconariafeminina.org.br/
https://symbolica.org.br/

Jacimar Silva
Últimos posts por Jacimar Silva (exibir todos)

Fazer comentário