Grande Arquiteto do Universo

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Grande Arquiteto do Universo

Você já se perguntou quem é o responsável por criar e organizar o universo? Quem é o arquiteto que planejou e executou essa obra magnífica que nos rodeia? Quem é o ser supremo que rege as leis da natureza e da vida?

Essas são questões que acompanham a humanidade desde os primórdios da civilização. Diferentes culturas, religiões e sistemas de crenças tentaram responder a essas perguntas de diversas formas, atribuindo nomes, características e funções ao criador do universo.

Neste artigo, vamos explorar o conceito de Grande Arquiteto do Universo, uma expressão que se refere ao principal criador do universo, independente de uma crença ou religião específica. Veremos como esse conceito é abordado por diferentes tradições, como o cristianismo, a maçonaria, o hermetismo, o gnosticismo, o deísmo, a teosofia, a rosacruz, o bahaísmo e o rastafarismo.

Descobriremos as semelhanças e as diferenças entre essas visões, e como elas se relacionam com a nossa compreensão do universo e do nosso papel nele. Vamos também refletir sobre o que esse conceito pode nos ensinar sobre a nossa própria natureza e potencialidade divina.

Se você se interessa por esse tema, continue lendo este artigo e descubra mais sobre o Grande Arquiteto do Universo, o Deus criador da Bíblia e de outras tradições.

Conceito cristão

O conceito cristão de Grande Arquiteto do Universo é baseado na ideia de que Deus é o criador e o sustentador de todas as coisas. Deus é visto como o arquiteto que planejou e executou a obra magnífica do universo, seguindo princípios geométricos e harmônicos. Deus é também a primeira causa de tudo o que existe, o ser supremo e perfeito, que transcende o mundo material e se revela através da Bíblia e de Jesus Cristo.

Esse conceito é encontrado em várias passagens bíblicas, como:

– “No princípio, criou Deus os céus e a terra.” (Gênesis 1:1)

– “Pois dele, e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.” (Romanos 11:36)

– “Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele.” (Colossenses 1:16)

– “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.” (João 1:1-3)

O conceito de Deus como o Grande Arquiteto do Universo tem sido empregado muitas vezes no cristianismo, desde a Idade Média até os tempos modernos. Ilustrações de Deus como o arquiteto do universo podem ser encontradas em Bíblias, livros, pinturas e esculturas. Alguns teólogos cristãos famosos, como Tomás de Aquino e João Calvino, usaram esse conceito para defender a existência e a natureza de Deus, usando argumentos racionais e evidências naturais.

No entanto, os cristãos também reconhecem que o conceito de Deus como o Grande Arquiteto do Universo não é suficiente para expressar toda a sua grandeza e amor. Eles acreditam que Deus se revelou de forma mais plena e pessoal através da encarnação, morte e ressurreição de Jesus Cristo, o Filho de Deus e o Salvador do mundo. Também acreditam que Deus se comunica com os seres humanos através do Espírito Santo, que os inspira, orienta e consola. Afirmam que Deus não é apenas o arquiteto do universo, mas também o pai, o amigo e o senhor de todos os que nele creem.

O Grande Arquiteto do Universo para os maçons

Grande Arquiteto do Universo

Na filosofia maçônica, a convicção no Grande Arquiteto do Universo é baseada na ideia de que existe uma força superior, criadora de tudo o que existe, que não está vinculada a nenhuma religião ou crença específica.

A Maçonaria usa essa expressão para se referir ao princípio divino que rege o universo, respeitando a pluralidade e a liberdade de consciência dos seus membros. Cada maçom pode interpretar o Grande Arquiteto do Universo de acordo com a sua própria fé e cultura, desde que acredite em um ser supremo e inteligente.

A Maçonaria adotou essa expressão por sua relação com a ciência, a geometria e a arquitetura, que são elementos importantes da sua simbologia e ritualística.

O Grande Arquiteto do Universo é visto como o mestre construtor que planejou e executou a obra magnífica do universo, seguindo princípios geométricos e harmônicos. O Grande Arquiteto do Universo é também o inspirador e o guia dos maçons, que buscam imitar a sua sabedoria e perfeição em suas obras e em suas vidas.

A Maçonaria trabalha à glória do Grande Arquiteto do Universo, o que significa que os maçons se esforçam para honrar e servir o criador do universo, através do aperfeiçoamento moral, intelectual e social. Os maçons também reconhecem o Grande Arquiteto do Universo como o grande benfeitor da humanidade, que lhe concedeu a razão, a liberdade e a fraternidade.

 A Importância do Grande Arquiteto do Universo para o hermetismo

O conceito hermético de Grande Arquiteto do Universo é baseado na ideia de que cada pessoa tem o potencial de tornar-se Deus, e que essa potencialidade divina é percebida como interna e não externa. O Grande Arquiteto é também uma alusão ao universo criado pelo observador. Nós criamos a nossa própria realidade, por isso nós somos o arquiteto. Outra forma seria a de dizer que a mente é o construtor.

Esse conceito é encontrado na tradição hermética, que é um conjunto de ensinamentos esotéricos e filosóficos atribuídos a Hermes Trismegisto, o “Três Vezes Grande”, que seria a fusão do deus grego Hermes com o deus egípcio Thoth. A tradição hermética se baseia em textos antigos, como o Corpus Hermeticum, o Asclepius e o Kybalion, que tratam de temas como a natureza de Deus, do universo, do homem, da magia e da alquimia.

O conceito hermético de Grande Arquiteto do Universo está relacionado com o princípio do mentalismo, que afirma que “O Todo é Mente; o Universo é Mental”. Esse princípio sustenta que a realidade é uma projeção da mente divina, e que a mente humana é uma parte dessa mente. Portanto, o homem pode influenciar a realidade com o seu pensamento, e pode se aproximar de Deus com o seu conhecimento.

O conceito hermético de Grande Arquiteto do Universo também está ligado ao princípio da correspondência, que afirma que “O que está em cima é como o que está embaixo; o que está dentro é como o que está fora”. Esse princípio indica que há uma harmonia e uma analogia entre os diferentes níveis de existência, e que o homem é um microcosmo que reflete o macrocosmo. Assim, o homem pode conhecer o universo e o seu criador, observando a si mesmo e à natureza.

Conceito gnóstico

A crença gnóstica no Grande Arquiteto do Universo é baseado na ideia de que o universo foi criado por um ser inferior e ignorante, chamado de Demiurgo, que se considera o único Deus. O Demiurgo é o Deus do Antigo Testamento, em oposição a Cristo e Sophia, mensageiros da Gnose, o conhecimento secreto do Verdadeiro Deus. A partir do Demiurgo emanam uma série de seres cósmicos, chamados de Aeons, que gradualmente edificam o universo material.

Esse conceito é encontrado na tradição gnóstica, que é um conjunto de ensinamentos esotéricos e religiosos que surgiram nos primeiros séculos do cristianismo, mas que foram considerados heréticos pela Igreja. A tradição gnóstica se baseia em textos antigos, como os Evangelhos Apócrifos, os escritos de Valentim, Basílides e outros mestres gnósticos, e os textos encontrados em Nag Hammadi, no Egito, em 1945.

Visão dualista da realidade

O conceito gnóstico de Grande Arquiteto do Universo está relacionado com a visão dualista da realidade, que afirma que há uma oposição entre o mundo espiritual e o mundo material, entre a luz e as trevas, entre o bem e o mal. Os gnósticos acreditam que o mundo material é uma prisão para as almas humanas, que são partículas divinas aprisionadas pela matéria. O objetivo dos gnósticos é libertar-se do mundo material e retornar à sua origem divina, através da Gnose, o conhecimento salvífico.

O conceito gnóstico de Grande Arquiteto do Universo também está ligado ao princípio da emanação, que afirma que tudo o que existe deriva de uma fonte primordial, que é o Verdadeiro Deus, o Pai Desconhecido, que transcende toda a criação. O Verdadeiro Deus emana de si mesmo uma série de seres divinos, chamados de Aeons, que formam o Pléroma, a plenitude divina. Um desses Aeons, chamado de Sophia, desejou conhecer o Pai sem o seu consentimento, e gerou uma emanação defeituosa, que é o Demiurgo, o falso criador do universo.

Visão deísta

A vgisão deísta de Grande Arquiteto do Universo é baseado na ideia de que Deus é o criador e o organizador do universo, mas que não se envolve nem se revela na sua criação. Deus é visto como o arquiteto que planejou e executou a obra magnífica do universo, seguindo princípios racionais e naturais. Deus é também o legislador que estabeleceu as leis da natureza e da moral, mas que não as viola nem as altera.

Esse conceito é encontrado na tradição deísta, que é um movimento filosófico e religioso que surgiu no século XVII, em oposição ao teísmo tradicional. A tradição deísta se baseia na razão, na experiência e na observação da natureza, em vez da revelação, da tradição e da autoridade. Os deístas defendem que a existência e a natureza de Deus podem ser conhecidas pela razão humana, sem a necessidade de dogmas, milagres ou profecias.

O conceito deísta de Grande Arquiteto do Universo está relacionado com a visão naturalista da realidade, que afirma que o universo é regido por leis naturais e físicas, que podem ser descobertas pela ciência e pela filosofia. Os deístas acreditam que o universo é uma máquina perfeita, que funciona de forma ordenada e harmônica, sem a intervenção divina. Os deístas também reconhecem o valor da religião natural, que é a religião baseada na razão e na consciência moral, sem a mediação de instituições ou livros sagrados.

Conceito teosófico

O conceito teosófico de Grande Arquiteto do Universo se baseia na ideia de que o universo é uma manifestação de uma realidade superior, chamada de Absoluto, que é a fonte de toda a existência. O Absoluto é visto como o arquiteto que planejou e executou a obra magnífica do universo, seguindo princípios de evolução e de lei. O Absoluto é também o princípio de unidade que permeia toda a diversidade da criação.

Esse conceito é encontrado na tradição teosófica, que é um movimento espiritualista e filosófico que surgiu no século XIX, fundado por Helena Blavatsky, Henry Olcott e William Judge. A tradição teosófica se baseia em uma síntese de diversas tradições religiosas, esotéricas e científicas, buscando revelar a sabedoria oculta da natureza e do homem. A tradição teosófica se expressa em obras como A Doutrina Secreta, A Chave da Teosofia e A Voz do Silêncio.

O conceito teosófico de Grande Arquiteto do Universo está relacionado com a visão holística da realidade, que afirma que o universo é um todo orgânico e interdependente, que se manifesta em diferentes planos de existência, desde o físico até o espiritual. Os teósofos acreditam que o universo é uma escola para as almas humanas, que são centelhas divinas em evolução, e que têm como destino final a reintegração com o Absoluto. Os teósofos também reconhecem o valor da fraternidade universal, que é a harmonia entre todos os seres, baseada no reconhecimento da sua origem e destino comuns.

Conceito Rosacruz

O conceito rosacruz de Grande Arquiteto do Universo é fundamentado na ideia de que o universo é uma manifestação de uma realidade superior, chamada de Deus, que é a fonte de toda a existência. Deus é visto como o arquiteto que planejou e executou a obra magnífica do universo, seguindo princípios de harmonia e de amor. Deus é também o princípio de vida que anima toda a criação.

Esse conceito é encontrado na tradição rosacruz, que é um movimento espiritualista e filosófico que surgiu no século XVII, inspirado por Christian Rosenkreuz, um mítico fundador da Ordem Rosacruz. A tradição rosacruz se baseia em uma síntese de diversas tradições religiosas, esotéricas e científicas, buscando revelar a sabedoria oculta da natureza e do homem. A tradição rosacruz se expressa em obras como Fama Fraternitatis, Confessio Fraternitatis e As Bodas Alquímicas de Christian Rosenkreuz.

O conceito rosacruz de Grande Arquiteto do Universo está relacionado com a visão mística da realidade, que afirma que o universo é um reflexo de Deus, e que o homem é um reflexo do universo. Os rosacruzes acreditam que o universo é uma escola para as almas humanas, que são centelhas divinas em evolução, e que têm como destino final a união com Deus. Os rosacruzes também reconhecem o valor da fraternidade universal, que é a harmonia entre todos os seres, baseada no reconhecimento da sua origem e destino comuns.

Conceito baha’i

O conceito baha’i de Grande Arquiteto do Universo é abalizado na ideia de que Deus é o criador e o educador do universo, mas que é inacessível e incompreensível para a mente humana. Deus é visto como o arquiteto que planejou e executou a obra magnífica do universo, seguindo princípios de justiça e de misericórdia. Deus é também o revelador que envia periodicamente os seus mensageiros, chamados de Manifestantes de Deus, que trazem a sua vontade e a sua lei para a humanidade.

Esse conceito é encontrado na tradição baha’i, que é um movimento religioso e social que surgiu no século XIX, fundado por Bahá’u’lláh, um dos Manifestantes de Deus. A tradição baha’i se baseia nos ensinamentos de Bahá’u’lláh, que estão contidos em mais de cem volumes de escritos sagrados, como o Kitáb-i-Aqdas, o Kitáb-i-Íqán e as Epístolas do Senhor dos Exércitos.

O conceito baha’i de Grande Arquiteto do Universo está relacionado com a visão progressiva da realidade, que afirma que o universo é um processo dinâmico e evolutivo, que reflete os atributos e os nomes de Deus. Os baha’is acreditam que o universo é uma escola para as almas humanas, que são criadas à imagem de Deus, e que têm como destino final a proximidade com Deus. Os baha’is também reconhecem o valor da unidade da humanidade, que é a harmonia entre todos os povos, baseada no reconhecimento da sua origem e destino comuns.

A Importância do Grande Arquiteto do Univerdo para o rastafári

O conceito rastafári de Grande Arquiteto do Universo é baseado na ideia de que o universo é uma manifestação de Jah, que é o nome dado a Deus pelos rastafáris. Jah é visto como o arquiteto que planejou e executou a obra magnífica do universo, seguindo princípios de equilíbrio e de justiça. Jah é também o libertador que enviou o seu filho, Haile Selassie I, o imperador da Etiópia, para salvar o povo negro da opressão e da escravidão.

Esse conceito é encontrado na tradição rastafári, que é um movimento religioso e cultural que surgiu na Jamaica, no século XX, inspirado por Marcus Garvey, um líder nacionalista e pan-africanista. A tradição rastafári se baseia nos ensinamentos da Bíblia, interpretados à luz da história e da identidade dos africanos e da diáspora. A tradição rastafári se expressa em obras como o Kebra Nagast, o Livro Sagrado dos Rastafáris, e o Nyabinghi, o Livro de Orações dos Rastafáris.

O conceito rastafári de Grande Arquiteto do Universo está relacionado com a visão afrocentrista da realidade, que afirma que o universo é um reflexo de Jah, e que o homem é um reflexo de Jah. Os rastafáris acreditam que o universo é uma escola para as almas humanas, que são criadas à imagem de Jah, e que têm como destino final a repatriação para a África, a terra prometida. Os rastafáris também reconhecem o valor da unidade da humanidade, que é a harmonia entre todos os povos, baseada no reconhecimento da sua origem e destino comuns.

Conclusão

Neste artigo, nós exploramos o conceito de Grande Arquiteto do Universo, uma expressão que se refere ao principal criador do universo, independente de uma crença ou religião específica. Vimos como esse conceito é abordado por diferentes tradições, como o cristianismo, a maçonaria, o hermetismo, o gnosticismo, o deísmo, a teosofia, a rosacruz, o bahaísmo e o rastafarismo.

Descobrimos as semelhanças e as diferenças entre essas visões, e como elas se relacionam com a nossa compreensão do universo e do nosso papel nele. Refletimos sobre o que esse conceito pode nos ensinar sobre a nossa própria natureza e potencialidade divina.

Este foi o último tópico do nosso artigo. Nós agradecemos a sua atenção e o seu interesse. Se você gostou deste artigo, por favor, compartilhe-o com os seus amigos e familiares. Você também pode se inscrever no nosso blog para receber as novidades e as atualizações. Não perca essa oportunidade de aprender mais sobre o Grande Arquiteto do Universo e outras tradições.

Obrigado por ler este artigo até o fim. Nós esperamos que você tenha se beneficiado dele e que ele tenha contribuído para o seu crescimento pessoal e espiritual. Lembre-se de que você é um ser único e especial, criado à imagem do Grande Arquiteto do Universo.

Referências

https://pt.wikipedia.org/wiki/De%C3%ADsmo

https://www.apocalink.org/2019/05/gadu-o-grande-arquiteto-do-universo.html

https://freimaurer-wiki.de/index.php/Pt:_Grande_Arquiteto_do_Universo

https://eightify.app/pt-br/summary/philosophy-and-science/the-great-architect-of-the-universe-exploring-masonic-symbols-and-sacred-geometry

https://www.resumo.blog.br/2020/02/conceito-da-maconaria-sobre-o-grande.html

https://www.rlmad.net/arquivoblog/simbolismo/o-conceito-maconico-de-grande-arquiteto-do-universo-ii/

https://www.wikiwand.com/pt/Grande_Arquiteto_do_Universo

https://pt.wikipedia.org/wiki/Grande_Arquiteto_do_Universo

Jacimar Silva
Últimos posts por Jacimar Silva (exibir todos)

Fazer comentário