Avental do Aprendiz Maçom

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
O Avental Branco do Aprendiz Maçom

O avental é uma peça fundamental do traje maçônico, que simboliza o trabalho, a pureza e a dignidade do maçom. O avental do aprendiz maçom, em particular, é inteiramente branco e tem uma aba triangular levantada, que representa a sua falta de conhecimento e a sua busca pela luz.

O ritual de emulação é um dos mais antigos e tradicionais rituais maçônicos, que se baseia nos antigos costumes e lendas dos maçons operativos, que construíam templos de pedra na Idade Média.

Neste artigo, vamos explorar o significado e a história do avental do aprendiz maçom no ritual de emulação, bem como os seus aspectos simbólicos e esotéricos.

O artigo está dividido em quatro partes: na primeira, vamos ver a história do avental na maçonaria; na segunda, vamos conhecer a origem e a história do ritual de emulação; na terceira, vamos analisar o significado esotérico do avental de cor branca; e na quarta, vamos concluir com algumas reflexões sobre o papel do avental do aprendiz maçom na sua jornada iniciática.

Esperamos que este artigo seja útil e interessante para os leitores, especialmente para os aprendizes maçons que desejam aprofundar o seu conhecimento sobre o seu avental e o seu ritual.

O avental na maçonaria operativa

A maçonaria operativa era a associação dos pedreiros e arquitetos que trabalhavam na construção de edifícios religiosos e civis na Europa medieval.

Eles tinham uma organização hierárquica, baseada no grau de habilidade e experiência, e seguiam regras e costumes próprios, que eram transmitidos oralmente ou por meio de documentos chamados de “Old Charges” (Antigos Deveres).

Eles também tinham símbolos e sinais de reconhecimento, que serviam para identificar os membros da irmandade e para proteger os seus segredos profissionais.

O avental era um dos símbolos mais importantes da maçonaria operativa, pois era um instrumento de trabalho e de proteção, que cobria as roupas e o corpo do operário, evitando que se sujassem ou se machucassem.

O avental era feito de couro de carneiro ou de outro material resistente, e tinha uma forma retangular, com uma aba triangular na parte superior, que podia ser levantada ou abaixada, de acordo com a conveniência.

O avental era preso à cintura por um cordão ou uma faixa, que podia ter diferentes cores, de acordo com o grau ou a função do maçom. O avental também podia ter alguns adornos, como franjas, bordados, medalhas ou insígnias, que indicavam a categoria ou a honra do maçom.

O avental na maçonaria operativa tinha um significado prático e simbólico. Praticamente, ele representava o ofício e a habilidade do maçom, que se dedicava à arte de construir com pedra e argamassa.

Simbolicamente, ele representava a pureza e a honestidade do maçom, que se esforçava para aperfeiçoar o seu caráter e o seu espírito, seguindo os princípios morais e religiosos da maçonaria.

O avental também simbolizava o trabalho como um dever sagrado e uma fonte de dignidade e de glória para o maçom, que contribuía para a edificação da sociedade e da humanidade.

O avental na maçonaria especulativa

A maçonaria especulativa é a forma moderna da maçonaria, que surgiu no século XVIII, quando a maçonaria operativa entrou em declínio, devido às mudanças sociais, políticas e econômicas da época.

A maçonaria especulativa abriu as suas portas para homens de diferentes profissões, classes e crenças, que não eram mais pedreiros ou arquitetos, mas que buscavam a fraternidade, a filantropia e o conhecimento.

A maçonaria especulativa adotou os símbolos e as tradições da maçonaria operativa, mas lhes deu um novo sentido e uma nova interpretação, baseada na filosofia, na ciência e na religião.

O avental foi um dos símbolos que a maçonaria especulativa herdou da maçonaria operativa, mas que modificou e enriqueceu com novos elementos e significados.

O avental deixou de ser um instrumento de trabalho e de proteção, para se tornar um emblema de distinção e de honra, que identificava o maçom como um membro de uma ordem iniciática e universal. O avental também deixou de ser feito de couro de carneiro ou de outro material resistente, para ser feito de tecido branco ou de outra cor, de acordo com o rito ou o grau maçônico.

O avental manteve a forma retangular, com a aba triangular na parte superior, mas esta passou a ter uma posição fixa, de acordo com o grau do maçom. O avental também passou a ter uma orla ou uma borda, de uma cor diferente do fundo, que indicava o rito ou o grau do maçom.

O avental também passou a ter alguns adornos, como rosetas, estrelas, esquadros, compassos, letras ou outros símbolos, que representavam os mistérios e os ensinamentos da maçonaria.

O avental na maçonaria especulativa tem um significado simbólico e alegórico. Simbolicamente, ele representa o trabalho espiritual e intelectual do maçom, que se dedica ao estudo e à prática das ciências, das artes e das virtudes. Alegoricamente, ele representa a pedra bruta que o maçom deve desbastar e polir, para transformá-la em uma pedra cúbica, perfeita e útil.

O avental também representa a pureza e a inocência do maçom, que deve manter o seu avental limpo e sem mancha, como um sinal de sua retidão e de sua integridade. O avental também representa o trabalho como um dever sagrado e uma fonte de dignidade e de glória para o maçom, que contribui para a edificação do templo interior e do templo universal.

A origem e a história do ritual de emulação

O ritual de emulação é o resultado de um processo de unificação e padronização dos rituais maçônicos que ocorreu na Inglaterra no início do século XIX, após a fusão das duas Grandes Lojas rivais que existiam na época: a Grande Loja dos Antigos e a Grande Loja dos Modernos.

Essas duas Grandes Lojas tinham origens, costumes e rituais diferentes, e disputavam a legitimidade e a autoridade sobre a maçonaria inglesa. A Grande Loja dos Antigos era mais antiga, mais conservadora e mais fiel à tradição operativa, enquanto a Grande Loja dos Modernos era mais recente, mais liberal e mais influenciada pela filosofia iluminista.

Em 1813, após várias tentativas de reconciliação, as duas Grandes Lojas decidiram se unir em uma única Grande Loja Unida da Inglaterra, sob a condição de que a maçonaria se baseasse nos “Landmarks Antigos” (princípios fundamentais) e nos três graus simbólicos de Aprendiz, Companheiro e Mestre.

Para harmonizar os rituais das duas Grandes Lojas, foi criada uma Loja de Reconciliação, composta por maçons de ambas as partes, que tinha a missão de elaborar um ritual único e uniforme, que fosse aceito por todos os maçons ingleses.

A Loja de Reconciliação trabalhou por três anos, de 1813 a 1816, e apresentou o seu resultado à Grande Loja Unida da Inglaterra, que o aprovou e o adotou como o ritual oficial da maçonaria inglesa.

O ritual elaborado pela Loja de Reconciliação era uma síntese dos rituais dos Antigos e dos Modernos, que preservava os elementos essenciais e comuns de ambos, e eliminava as divergências e as inovações desnecessárias.

O ritual era simples, sóbrio e elegante, e seguia uma ordem lógica e coerente. O ritual era também rico em simbolismo e em ensinamentos, e transmitia os valores e os ideais da maçonaria, como a fraternidade, a tolerância, a virtude e a sabedoria. O ritual era, enfim, uma expressão da essência e da beleza da arte real.

O ritual da Loja de Reconciliação, no entanto, não foi imposto de forma obrigatória e exclusiva a todas as lojas maçônicas da Inglaterra. Cada loja tinha a liberdade de adotar ou não o ritual, ou de fazer algumas modificações ou adaptações, de acordo com as suas preferências ou tradições.

Assim, surgiram várias versões ou variantes do ritual, que mantinham a estrutura básica, mas introduziam alguns detalhes ou diferenças. Algumas dessas versões ou variantes receberam nomes próprios, como o Ritual de Bristol, o Ritual de Oxford, o Ritual de Estabilidade, o Ritual de Taylor, etc.

Uma dessas versões ou variantes foi o Ritual de Emulação, que se tornou uma das mais populares e difundidas na Inglaterra e no mundo. O Ritual de Emulação foi criado por uma loja de instrução chamada Emulation Lodge of Improvement for Master Masons, que foi fundada em 1823, com o objetivo de ensinar e aperfeiçoar o ritual da Loja de Reconciliação.

A Emulation Lodge of Improvement era formada por maçons que tinham participado ou assistido aos trabalhos da Loja de Reconciliação, e que tinham uma profunda admiração e respeito pelo ritual que ela havia produzido.

A Emulation Lodge of Improvement se propunha a preservar e a transmitir o ritual da Loja de Reconciliação na sua forma mais pura e autêntica, sem alterações ou acréscimos. O nome Emulation (emulação) significa imitação, e indica a intenção de emular ou copiar fielmente o ritual original.

O Ritual de Emulação, portanto, não é um ritual novo ou diferente, mas uma reprodução fiel e precisa do ritual da Loja de Reconciliação, que é considerado o padrão e o modelo de excelência do ritual maçônico inglês. O Ritual de Emulação é praticado por muitas lojas maçônicas na Inglaterra e no mundo, que seguem as instruções e as recomendações da Emulation Lodge of Improvement, que continua até hoje a se reunir semanalmente para demonstrar e ensinar o ritual.

O Ritual de Emulação é também o nome do livro que contém os textos e as orientações para a prática do ritual, que é publicado pela Emulation Lodge of Improvement, e que é usado como referência e guia pelos maçons que adotam o ritual.

Significado esotérico do avental de cor branca

O avental de cor branca é o símbolo da pureza e da inocência do aprendiz maçom, que se inicia na arte real e busca a luz da sabedoria. O avental de cor branca também é o símbolo da pedra bruta que o aprendiz maçom deve desbastar e polir, para transformá-la em uma pedra cúbica, perfeita e útil. O avental de cor branca, portanto, representa o estado inicial e potencial do aprendiz maçom, que deve trabalhar sobre si mesmo e sobre a matéria, para alcançar a perfeição e a harmonia.

O avental de cor branca tem um significado esotérico profundo e complexo, que se relaciona com a cosmogonia, a alquimia e a cabala. O avental de cor branca é uma representação simbólica do universo, do homem e de Deus, que se manifestam em três planos: o plano material, o plano espiritual e o plano divino. O avental de cor branca é também uma representação simbólica do processo de criação, de transformação e de realização, que se realiza em três fases: a fase negra, a fase branca e a fase vermelha. O avental de cor branca é, ainda, uma representação simbólica do caminho iniciático, que se percorre em três etapas: a purificação, a iluminação e a união.

Para compreender melhor o significado esotérico do avental de cor branca, vamos analisar os seus elementos constitutivos: a forma, a cor, a matéria, a abeta e o cordão.

A forma do avental

– A forma do avental de cor branca é retangular, com uma abeta triangular na parte superior. A forma retangular simboliza a estabilidade, a ordem e a racionalidade, que são as qualidades que o aprendiz maçom deve desenvolver para dominar a sua natureza inferior e construir o seu templo interior. A forma triangular simboliza a trindade, a perfeição e a divindade, que são os atributos que o aprendiz maçom deve aspirar para se elevar à sua natureza superior e se aproximar do Grande Arquiteto do Universo. A forma retangular e a forma triangular se complementam e se harmonizam, formando um quadrado sobreposto por um triângulo, que é um dos símbolos mais antigos e universais da maçonaria.

A cor do avental

– A cor do avental de cor branca é branca, que é a cor da luz, da pureza e da inocência. A cor branca simboliza a ausência de mancha, de vício e de erro, que são os obstáculos que o aprendiz maçom deve superar para se purificar e se preparar para receber a luz da sabedoria. A cor branca simboliza também a presença de todas as cores, de todas as virtudes e de todos os conhecimentos, que são os dons que o aprendiz maçom deve adquirir para se iluminar e se aperfeiçoar. A cor branca é, portanto, a cor da iniciação, da transmutação e da regeneração.

O tecido do avental

– A matéria do avental de cor branca é a pele de carneiro ou o tecido que a substitua. A pele de carneiro simboliza a humildade, a obediência e a fidelidade, que são as atitudes que o aprendiz maçom deve ter para se submeter à vontade do Grande Arquiteto do Universo e seguir os preceitos da maçonaria. A pele de carneiro simboliza também a resistência, a proteção e a força, que são as qualidades que o aprendiz maçom deve ter para se defender das adversidades e dos inimigos, e para se fortalecer na sua jornada. A pele de carneiro é, assim, a matéria prima da obra maçônica, que deve ser trabalhada e aprimorada pelo aprendiz maçom.

A abeta do avental

– A abeta do avental de cor branca é a parte triangular que fica na parte superior do avental, e que se conserva sempre levantada no grau de aprendiz maçom. A abeta simboliza a ignorância, a curiosidade e a busca, que são os estados que o aprendiz maçom vive quando se inicia na arte real e procura a luz da sabedoria. A abeta simboliza também a aspiração, a elevação e a transcendência, que são os objetivos que o aprendiz maçom tem quando se inicia na arte real e busca a luz da sabedoria. A abeta é, desse modo, o sinal distintivo do aprendiz maçom, que o diferencia dos demais graus maçônicos.

O cordão do avental

– O cordão do avental de cor branca é o cordão ou a fita que serve para prender o avental à cintura do aprendiz maçom. O cordão simboliza o vínculo, a união e a fraternidade, que são os laços que o aprendiz maçom estabelece com os seus irmãos maçons, com a sua loja e com a maçonaria universal. O cordão simboliza também o equilíbrio, a moderação e a temperança, que são as virtudes que o aprendiz maçom deve praticar para manter a harmonia entre o seu corpo e a sua alma, entre o seu espírito e a sua matéria, entre o seu céu e a sua terra. O cordão é, assim, o instrumento de ajuste e de integração do aprendiz maçom.

Conclusão

O avental do aprendiz maçom no ritual de emulação é um símbolo rico em significados e em história, que revela a essência e a beleza da arte real. O avental é uma peça fundamental do traje maçônico, que representa o trabalho, a pureza e a dignidade do maçom. O avental também é uma representação simbólica do universo, do homem e de Deus, que se manifestam em três planos: o material, o espiritual e o divino. O avental também é uma representação simbólica do processo de criação, de transformação e de realização, que se realiza em três fases: a negra, a branca e a vermelha. O avental também é uma representação simbólica do caminho iniciático, que se percorre em três etapas: a purificação, a iluminação e a união.

O ritual de emulação é o resultado de um processo de unificação e padronização dos rituais maçônicos que ocorreu na Inglaterra no início do século XIX, após a fusão das duas Grandes Lojas rivais que existiam na época: a dos Antigos e a dos Modernos. O ritual de emulação é uma síntese dos rituais dos Antigos e dos Modernos, que preserva os elementos essenciais e comuns de ambos, e elimina as divergências e as inovações desnecessárias. O ritual de emulação é simples, sóbrio e elegante, e segue uma ordem lógica e coerente. O ritual de emulação é também rico em simbolismo e em ensinamentos, e transmite os valores e os ideais da maçonaria, como a fraternidade, a tolerância, a virtude e a sabedoria. O ritual de emulação é, enfim, uma expressão da essência e da beleza da arte real.

Neste artigo, exploramos o significado e a história do avental do aprendiz maçom no ritual de emulação, bem como os seus aspectos simbólicos e esotéricos. Vimos que o avental e o ritual são dois elementos inseparáveis e complementares, que se harmonizam e se enriquecem mutuamente. Vimos também que o avental e o ritual são dois instrumentos de trabalho e de iniciação, que servem para aperfeiçoar o maçom em todos os níveis: físico, mental, emocional e espiritual.

Referências bibliográficas

https://www.maconaria.net/trabalhos-de-aprendiz-o-avental-do-aprendiz/
https://www.rlmad.net/secmaconaria/graus/o-aprendiz/aven-aprend/
https://www.michaelwinetzki.com.br/2023/01/o-avental-de-aprendiz-ir-eder-avallone.html
https://www.revistauniversomaconico.com.br/simbologia/o-avental/
https://www.brasilmacom.com.br/aventais-maconicos/
https://masonic.com.br/trabalho/vs02.pdf
https://folhadolitoral.com.br/colunistas/maconaria/compreendendo-o-uso-do-avental-maconico/
https://www.revistauniversomaconico.com.br/simbologia/compreendendo-o-uso-do-avental/
https://www.brasilmacom.com.br/o-avental/
https://www.rlmad.net/secmaconaria/pranchas/o-avental/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ritual_de_Emula%C3%A7%C3%A3o
https://www.maconaria.net/o-rito-de-emulacao/
https://www.wikiwand.com/pt/Ritual_de_Emula%C3%A7%C3%A3o

Jacimar Silva
Últimos posts por Jacimar Silva (exibir todos)

Fazer comentário