Publicitária lança romance que faz metáfora com as classes sociais em SP

Publicitária lança romance que faz metáfora com as classes sociais em SP

Marah Mends  escreveu “Elefantes têm medo de formigas” e discute racismo, homofobia e violência policial na obra

Neste sábado (26) ocorre o lançamento do romance “Elefante têm medo de formigas”, da autora Marah Mends, no Sarau Poesia é da Hora, às 15h, na Livraria Martins Fontes, em São Paulo (SP). A obra que sai pelo selo independente “Edições é da hora” tem como personagens principais Tião, Joana e Pedro, traz uma metáfora entre as classes sociais, gênero, racismo, homofobia e discute temas como violência policial e do Estado.

Para a autora de 37 anos que integra um coletivo de arte marginal há seis anos e organiza saraus mensais junto às pessoas em situação de rua e em centros de acolhida, a obra é um grito de resistência que aborda as desigualdades sociais e ela teve como inspiração as escolas, as unidades da Fundação Casa, os presídios e o povo de rua. É também, para esse público, sobretudo, que ela escreveu. Cerca de 70% dos exemplares serão doados a escolas públicas, presídios e unidades da Fundação Casa, além de bibliotecas públicas, comunitárias e centros de acolhida.

“O romance traz à tona lixos culturais que precisam diariamente de diálogo para serem desconstruídos: o racismo, a homofobia, a transfobia, o machismo, a guerra, o abandono, o desrespeito. Protagoniza gente da gente, as formigas na sociedade, que lutam ideologicamente – às vezes, sem saber – contra a covardia dos elefantes privilegiados. O livro trata também da importância  da ancestralidade, do estudo como estudo, pra causar reflexão”, destacou Marah.

A entrega dos exemplares serão feitas pessoalmente pela autora, que pretende visitar oito escolas da rede pública de ensino da cidade de Arujá (SP), entre elas a Edir Paulino, onde ela estudou. Já nas unidades de segurança pública, a entrega será combinada com a ajuda do coletivo Poetas do Tietê.

Processo criativo e temática

Este é o terceiro romance da autora, que já escreveu “O povo de rua resiste” e “Amarguras de uma paixão”, e foi escrito aos poucos, sendo engavetado, relido e reescrito.  Na estética, traz diálogos ágeis e linguagem simples, direta. Ela explica a escolha: “me agrada a simplicidade das intenções, dos diálogos, da poética que é possível tirar de uma borboleta que boa. A linguagem informal está no meu cotidiano pessoal, social e no cotidiano da maioria das pessoas que seguem comigo. Nesta simplicidade, é possível se fazer entender, aguçar, inquietar e eu gosto quando é assim na escrita. Meu processo criativo segue essa estrada. Talvez seja uma característica”, disse.

Questionada sobre os temas que envolvem o romance, Marah afirma que se devem às estatísticas, sobretudo relacionadas ao racismo, no Brasil. “É um dos países mais racistas do mundo. Não é à toa que foi o último da América do Sul a ‘abolir a escravidão’, mas o pulso ainda sangra, a ferida ainda está aberta. Também é o país onde mais se mata pessoas LGBTs (uma a cada 19 horas). Apesar de todas as outras pautas que podem ser discutidas para compor a dramaticidade de um romance, a ideia ainda é causar reflexão e também dialogar através da escrita sobre este tema, especialmente nas escolas, prisões e centros de acolhida”, contou.

Marah revela também que abordar tais temas foi um desafio que ela mesma se colocou enquanto escritora e ser humano. As questões raciais e de gênero têm sido uma constante nos saraus que participo e aprendo ouvindo, observando, conversando, compartilhando. O que me inspirou a escrever sobre questões de gênero foi a convivência em saraus com as mulheres trans da Casa Florescer – um centro de acolhida para mulheres trans em situação de vulnerabilidade social. Qual é a cor da maioria dos prisoneiros e prisioneiras? Qual é a cor da maioria das pessoas que dormem nas calçadas? Não é mi mi mi. São estatísticas, a desigualdade tá aí na nossa cara. E na escrita vai ter também”, completou.

Vale lembrar que o  livro traz também ilustrações de capa por Onézio, de Guaianazes, textos de contracapa da professora Cristiane Melo e do professor Fábio Luciano, organizador do Sarau da Ponte Pra cá, no Campo Limpo. A diagramação é de Fábio Luciano e a arte da capa de Jurandir Barbosa.

 

Serviço
Lançamento do livro “Elefantes têm medo de formigas”, de Marah Mends
Quando:
sábado (26) às 15h
Onde: Sarau Poesia é da Hora, Livraria Martins Fontes
Endereço: Avenida Paulista, 509, São Paulo (SP)
Ingresso: gratuito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *