10 livros que combatem a gordofobia para ler imediatamente

Antes de começar a lista, quero propor um exercício. Pare e pense: quantas personagens gordas, protagonistas e com vidas interessantes e/ou invejáveis você já encontrou em livros? Pra mudar isso, fizemos esta lista com 10 livros que se você ainda não leu, vai querer ler imediatamente. Eles foram escritos por mulheres gordas, ou por mulheres que pesquisam e falam sobre corpo, alimentação e resistência. 1. A Gorda, de Isabela Figueiredo

Conheça três livros sobre ditadura militar e golpe escritos por mulheres

Em tempos de intervenção militar no Rio de Janeiro, listamos três indicações de leitura para que não percamos a capacidade de nos indignar O período da ditadura militar no Brasil (1964-1985) foi marcado por diversas situações econômicas, sociais e políticas de extremos: as liberdades corrompidas, as desumanidades nos chamados “porões da ditadura”, espancamentos, perseguições etc e em diversas situações podemos perceber nesse período a imposição da força, poder e autoritarismo

No próximo sábado (18), às 16h, na Praça Roosevelt (centro de São Paulo), acontece a roda de conversa “Mulheres escritoras na periferia”, com as jornalistas Jéssica Balbino e Lívia Lima. O debate integra uma série de ações do projeto Resgate, Inclusão e Protagonismo de Mulheres Escritoras, do coletivo #KDmulheres, contemplado pelo edital municipal Redes e Ruas no último ano. Jéssica Balbino e Lívia Lima prometem trazer sua experiência de pesquisa

 Encontro, aberto ao público, será realizado no Sesc Poços de Caldas, em 7/7 O Roda de Conversa, iniciativa do Sesc, retorna ao Sul de Minas. Desta vez com atividade no Sesc Poços de Caldas (rua Paraná, 229, Centro). No dia 7 de julho, às 20h, o projeto promove um debate com o tema O protagonismo feminino na produção cultural contemporânea: literatura marginal. As convidadas da vez são as escritoras Jéssica

Mulheres negras trabalhando é muita treta vich por Raquel Almeida* Ao longo dos anos com a efervescência cultural nas periferias tem possibilitado alguns acessos notáveis. Minha vivencia dentro do movimento hip-hop e literário tem mais ou menos de 10 a 12 anos, nessas andanças era muito raro ver mulheres linha de frente das ações, muitas, inclusive eu me contentava com o papel de coadjuvante só pra estar e participar de tudo por