mulheres gordas gozam 

uma reflexão para este Dia Mundial do Orgasmo  por Jéssica Balbino* mulheres gordas gozam. sim, eu sei que a informação pode parecer chocante a assustadora, afinal, no imaginário, elas nem transam. e, se encontram algum fetichista, é para serem objetificadas e não terem prazer. afinal, como pode um corpo desobediente sentir prazer? como pode um corpo imenso se encharcar de desejo? e mais: quem deseja estes corpos e goza com

A gente quer comida, diver$ão e arte

por Brisa de Souza*  Você já percebeu que a média de tempo que usa-se em filmes brasileiros para anunciar os patrocinadores da obra dura 2 minutos? Pra mais ou pouco pra menos, isso só materializa ao público o quanto foi difícil conceber a produção…  É bastante comum não reconhecermos de frente o que, basicamente, é necessário de equipe para realizar uma produção cinematográfica: maquiadores – diretores – produtores – assistentes

“E a lata vai revidar.”*

por Brisa de Souza** Como você cuida e fortalece seus amigues artistas?  Lembro da primeira vez que assisti ao documentário Cidade Cinza, seguido de uma roda de conversa com os diretores, e meu peito se sentiu colorido. Porque a sensação de ter uma obra independente tomar grande proporção sobre o tema que vandalizam é radical. É enxergar os seus, representados de alguma forma, mesmo que não seja sua linguagem, o

Que país é esse?!

por Brisa de Souza*  “Somos tão jovens” é uma ficção de 2013, dirigida por Antônio Carlos da Fontoura, livremente inspirada na vida de Renato Russo, líder das bandas Aborto Elétrico e Legião Urbana. Antes de tudo, elogio aqui o recorte que fizeram ao filme (pseudo) documentando a parte profissional de Renato invés de pautar sua vida pessoal, delineando sua trajetória entre 1976-1982 – inicio de sua carreira. Convenhamos, é muito

Por que se suicidam as folhas quando se sentem amarelas?

por Brisa de Souza*  Percebi que semana passada comecei a coluna direta, bruta, sem apresentar a mim ou a proposta do que já é. Faço fotografia e escrevo, assim como produzo – tudo está associado, interligado, são codependentes. As artes se encontram quase sem querer, como o teatro, que estudei quando tinha 13-14 anos e reencontrei fora do papel de público, em 2019 quando produzi o Palco Giratório** (Sesc Paraty);

"O símbolo da liberdade é o c*, que todo mundo tem." - Tatuagem

por Brisa de Souza*  Em 1969, a comunidade lgbt sofria ataques violentos da polícia de Nova York em forma de invasão aos bares que frequentavam, e violências cometidas por parte das “autoridades”; o ataque mais marcante, foi o que aconteceu nas primeiras horas da manhã de 28 de junho no bar Stonewall Inn quando pessoas que estavam no local reagiram ao atentado, uma delas Marsha P. Johnson, mulher negra trans,

Culturas populares adaptam hábitos ancestrais durante os tempos de pandemia em Poços

AÇÕES DA CULTURA POPULAR EM POÇOS DE CALDAS  no contexto da Pandemia  Contextos e gerações das culturas populares em Poços de Caldas: por Gabriela Acerbi* Coletivos de cultura popular de Poços de Caldas estão, durante o contexto da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), alinhando as práticas ancestrais às transmissões via live. RELEASE: AÇÕES DA CULTURA POPULAR EM POÇOS DE CALDAS  no contexto da Pandemia  Contextos e gerações das culturas populares

Gordofobia em tempos de crise

por Eme Barbassa*  Você pode até estar pensando, por quê falar sobre gordofobia numa crise como essa que estamos vivendo?  É coronavírus, são milhões de pessoas contaminadas no mundo, quase 400 mil mortes em todo o planeta, mais de 20 mil só aqui no nosso pais, o desemprego aumentando, a fome aumentando, Bolsonaro dominando as pautas seja nos noticiários ou nas redes sociais.  Então por que escolher falar sobre gordofobia?

“E se?” - a urgência pelo debate sobre curadoria no mercado literário brasileiro 

Quantas vezes deixamos de nos posicionar por medo ou melindre  “E se eu disser o que penso e não for convidada para integrar aquele projeto?”. “E se eu endossar o coro de racista àquele organizador/curador e ele não me chamar mais para as festas privadas que faz?”. “E se eu parar de curtir os post daquela curadora e ela não me chamar mais para trabalhar de graça para ela no

vamos falar de gordocentricidade?

por Jéssica Balbino*  tá. mas o que é isso? esse neologismo que tem como premissa uma forma de ver e analisar o mundo tendo a perspectiva de pessoas gordas como o centro. é, basicamente, sobre acolhimento, partilha e ausência de culpa. e por que isso?  vamos lá! quanto você aguenta ou aguentaria de violência em nome da boa convivência, de um trabalho, de um emprego, de um relacionamento, de uma