o quanto a voz de uma mulher gorda te incomoda?

o quanto a voz de uma mulher gorda te incomoda?

sim! porque você sabe que o mundo mudou e tenta praticar a empatia. você até aceita que mulheres gordas estejam no mesmo espaço que você – físico ou virtual – mas, peloamordedeus, elas precisam, o tempo todo, falar sobre gordofobia? não dá para falarem sobre maquiagem e cabelo, como todas as outras mulheres? até em clube de literatura elas querem enfiar goela abaixo a militância delas? e as magras, que também sofrem por terem que comprar roupa na sessão infantil? delas ninguém fala, né? você sabe o que é preconceito, afinal, já vestiu calça 42 e foi chamada de gordelícia por um crush no Instagram.

você entende a dor da mulher gorda e até tem amigas que são, mas, poxa, toda hora é esse tal de roubar a brisa e pôr o dedo na cara falando de gordofobia médica, de solidão, de relacionamentos. dá um tempo, sabe? tem hora e lugar pra falar sobre isso e ninguém é obrigada a nada, tampouco a ficar ouvindo as lamúrias de quem não faz nada para mudar, não é mesmo?

militância é uma coisa. você entende. é feminista, leu o livro da Djamila e fala com propriedade, afinal, já foi gordinha, sua mãe é obesa (da última vez, tava pesando 78 kg e o médico falou!) e é seu lugar de fala, mas, pra você, isso já é mimimi. toda hora que abre as redes sociais tá lá, ela, com uma foto pelada, com textão, com vídeo, falando sobre corpo. ir na academia ninguém quer, né? você já perdeu as contas de quantas vezes deixou de comer dois pedaços de pizza ou de comer aquele brigadeiro, pra quê? pra manter seu corpo em forma. tem gente que fala que a sociedade é programada para não receber pessoas gordas, mas o que você pode fazer sobre isso? a culpa não é sua. você se esforça para não engordar, por que aquela gorda não faz o mesmo? não é tão difícil assim.

mas, tem uma coisa que você não entende. se ela vive dizendo que tem autoestima boa, tira foto de biquíni na praia – você lembra quando ela tava no nordeste, postando fotos, né – por que se incomoda com os comentários dos outros? por que chama de gordofobia?

quer saber, no fundo, você duvida. isso mesmo: du-vi-da que ela seja feliz. é impossível ser feliz com tanta gordura acumulada. você comenta que ela tá linda com aquele cropped, mas, claro, sabe que ela não tem noção. você jamais postaria algo assim, mas entende a coitada: deve ser difícil viver uma vida sozinha, não ser olhada e nem desejada por ninguém. você também se cuida por isso. foi difícil fisgar o Fernando. não vai dar brecha, mas sabe que por mais que ela seja inteligente, engraçada e divertida, ele nunca olharia para ela. nem mesmo com os nudes ridículos que ela posta para chamar a atenção. coitada, só assim mesmo para atrair algum louco desesperado para transar.

mas você não julga. só que também, não vem querer falar disso na festa. é demais. dá um tempo. nem no grupo de leituras feministas do WhatsApp. Você está ali para se distrair. se ela manda um textão lá, daqui a pouco, todo mundo vai querer dar opinião sobre isso e vai virar uma balbúrdia. ninguém merece. as pessoas também tem que ter noção do lugar que ocupam, né? já é gorda, já ocupa tanto espaço e ainda quer vir falar de coisas nada a ver? ah, se enxerga né. por isso que é infeliz. mal amada. feia. gorda.

o mundo anda muito chato. esses dias ela te chamou a atenção porque você tava rindo de um meme com um homem gordo, mas não tem nada a ver com preconceito. ah, quer saber, é uma mimizenta do caralho. não tem sororidade que dê conta de uma mana louca dessa. quer saber? é de terapia que ela precisa. terapia e dieta. e se não der, bariátrica. sua outra amiga fez e morreu, mas foi azar. melhor morrer tentando do que ter que lidar com a diabetes, pressão alta e colesterol. e ela não entende que você tá só preocupada com a saúde dela, né?

foda-se! você vai voltar a ler seu livro da Angela Davis para o clube desse mês que você ganha mais.

4 Comentários


  1. Pareceu que eu tava ouvindo o que o olhar das pessoas me diz. Vou compartilhar pra incomodar mais um pouco.

    Responder

  2. Caramba, que soco no estômago. Um texto forte, contundente, muito necessário pra gente. Pra mim. Pra eu rever meus preconceitos, pra eu me colocar em silêncio e oferecer mais escuta. Preciso reformatar meu cérebro, reeducar meu olhar. Obrigado.

    Responder

  3. Caramba, que soco no estômago. Um texto forte, contundente, muito necessário pra gente. Pra mim. Pra eu rever meus preconceitos, pra eu me colocar em silêncio e oferecer mais escuta. Preciso reformatar meu cérebro, reeducar meu olhar. Obrigado.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *